brabet

Capa do Álbum: brabet
A Rádio Online mais ouvida do Brasil
brabet
Ícone seta para a esquerdaVeja todas as Notícias.

Júri condena assassino de sinagoga em Pittsburgh, no EUA, à morte

Placeholder - loading - A woman prays at a makeshift memorial near the Memorial improvisado perto da sinagoga Árvore da Vida, em Pittsburgh 31/10/2018 REUTERS/Cathal McNaughton
A woman prays at a makeshift memorial near the Memorial improvisado perto da sinagoga Árvore da Vida, em Pittsburgh 31/10/2018 REUTERS/Cathal McNaughton

Publicada em  

(Reuters) - Um júri federal votou nesta quarta-feira pela condenação de Robert Bowers à morte por matar 11 fiéis na sinagoga Árvore da Vida de Pittsburgh em 2018, ataque antissemita mais mortal da história dos Estados Unidos.

Em junho, o júri considerou Bowers, de 50 anos, culpado de dezenas de crimes federais de ódio em um julgamento realizado no Tribunal Distrital dos EUA em Pittsburgh, no oeste da Pensilvânia. Bowers foi condenado por 63 acusações, incluindo 11 acusações de obstrução do livre exercício de crenças religiosas resultando em morte.

Duas semanas atrás, durante a primeira fase da sentença, o júri considerou Bowers elegível para a pena de morte. Os jurados então ouviram depoimentos e argumentos de promotores e advogados de defesa sobre se ele merecia ser condenado à morte pelos assassinatos.

Durante o julgamento, os promotores argumentaram que Bowers merecia a sentença de morte por não demonstrar remorso e porque o ataque foi premeditado, tendo como alvo um local de culto que incluía fiéis idosos vulneráveis.

Os advogados de defesa de Bowers não contestaram a afirmação de que ele planejou e executou o ataque à sinagoga durante os cultos da manhã de sábado. Ele vasculhou o prédio atirando em todos que encontrou com um rifle semiautomático e três pistolas. Seus advogados argumentaram, sem sucesso, que Bowers sofria de uma doença mental ao longo da vida e estava delirando.

O júri foi instruído a votar em mais de 100 fatores atenuantes apresentados pelos advogados de defesa. Todos os 12 jurados indicaram na folha de veredicto que a defesa não provou que Bowers sofria de esquizofrenia, como alguns especialistas de defesa testemunharam.

Os jurados também ouviram depoimentos de alguns sobreviventes e mostraram evidências do anti-semitismo de Bowers, incluindo vários posts atacando judeus em um site de extrema-direita nos meses que antecederam o ataque.

Em casos capitais federais, é necessário um voto unânime dos jurados em uma fase separada do julgamento para condenar um réu à morte, e o juiz não pode rejeitar o voto do júri. Caso o júri não tivesse conseguido chegar a uma decisão unânime, Bowers teria sido condenado à prisão perpétua sem possibilidade de liberação.

O juiz distrital dos EUA, Robert Colville, deve sentenciar formalmente Bowers à morte em uma audiência na manhã da quinta-feira, durante a qual alguns parentes das vítimas de Bowers devem se dirigir ao tribunal.

A decisão do júri nesta quarta-feira marca a primeira vez que os promotores federais buscaram e ganharam a pena de morte desde que o presidente dos EUA, Joe Biden, um democrata, assumiu o cargo em janeiro de 2020.

Não está claro quando, se é que algum dia, Bowers será executado. O Departamento de Justiça dos EUA tem uma moratória sobre a realização de execuções federais enquanto revisa a pena de morte, que Biden prometeu abolir quando era candidato à presidência.

O rabino Jeffrey Myers, que se escondeu em um banheiro durante o ataque, agradeceu ao júri em um comunicado.

'É minha esperança que possamos começar a nos curar e seguir em frente', disse.

(Reportagem de Brendan O'Brien, em Chicago, e Jonathan Allen, em Nova York)

Escrito por Reuters

Últimas Notícias

  1. Home
  2. noticias
  3. juri condena assassino de …

Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.

brabet Mapa do site