jackpotcitycasino

Capa do Álbum: jackpotcitycasino
A Rádio Online mais ouvida do Brasil
jackpotcitycasino

NOTÍCIAS SOBREantidepressivos

Veja essas e outras notícias da jackpotcitycasino

Placeholder - loading - Imagem da notícia Uso de remédios prescritos cresce

Uso de remédios prescritos cresce

Muitas pessoas na Inglaterra estão viciadas em medicamentos prescritos, temem os chefes de saúde. Uma revisão da Public Health England (PHE) analisou o uso de analgésicos fortes, antidepressivos e comprimidos para dormir – usados por um quarto de adultos todos os anos.Constatou-se que, no final de março de 2018, metade das pessoas que usavam estes tipos de medicamentos já os utilizavam há pelo menos 12 meses. As autoridades disseram que o uso prolongado não poderia ser justificado e que era um sinal de dependência.O diretor médico do PHE, Paul Cosford, disse estar preocupado, afirmando que estes medicamentos têm muitos usos clínicos vitais e que podem fazer uma grande diferença na qualidade de vida das pessoas. Mas ele acrescentou que há muitos casos em que os pacientes os usam por mais tempo do que o apropriado, fazendo com que os medicamentos parem de funcionar de maneira eficaz ou fazendo com que os riscos superem os benefícios. “Precisamos garantir que as pessoas sejam ajudadas a acessar tratamentos alternativos”, afirmou.A instituição disse que não estão sendo feitos investimentos em serviços como terapias de conversação e a chamada prescrição social, que inclui aulas de ginástica e atividades físicas, que poderiam ser alternativas mais apropriadas.Na revisão, cinco classes de medicamentos foram envolvidas. Eram elas: antidepressivos, analgésicos opióides, gabapentinóides (usados para tratar epilepsia), benzodiazepínicos e medicamentos para dormir. Uma das razões para as prescrições virem aumentando, segundo especialistas, é o envelhecimento da população.No entanto, vale o alerta: o medicamento não deve ser cortado de uma vez, e sim de forma gradual, e sempre com o acompanhamento médico.

4A
Placeholder - loading - Imagem da notícia Chocolate pode auxiliar na luta contra a depressão

Chocolate pode auxiliar na luta contra a depressão

Um novo estudo publicado na revista Depression & Anxiety apontou o chocolate como um aliado na luta contra a depressão. Segundo dados obtidos na pesquisa, comer qualquer tipo de chocolate, seja ele branco ou ao leite, reduz o risco de apresentar sintomas depressivos em 58%.O chocolate amargo foi ainda mais exaltado no estudo, pois pode diminuir ainda mais o risco: em 70%. Por que isso acontece?Os especialistas explicam que o chocolate possui uma série de ingredientes psicoativos, que podem produzir a sensação de euforia. Essas sensações se assemelham às produzidas pelos canabinoides, encontrada na cannabis, a maconha.A guloseima também contém feniletilamina, substância capaz de ajudar na regulação do humor. Além disso, o alimento em sua versão amarga fornece uma maior quantidade de flavonoides, um tipo de ontioxidante que diminui inflamações e pode prevenir o surgimento da depressão.MetodologiaOs pesquisadores fizeram com que 13 mil pessoas respondessem um questionário que continha perguntas sobre a presença de sintomas depressivos e o consumo de chocolate. Ele foi repetido entre três e dez dias após o primeiro preenchimento.A análise das respostas mostrou que 7,5 por cento dos participantes relataram sintomas depressivos. Entre aqueles que tinham o hábito de comer chocolate, esse número caía para 1,5%.Os participantes que comiam entre 104 e 454 gramas de chocolate de qualquer tipo, em um período de até dez dias, estavam 58% menos propensos a apresentar sinais de depressão. Já a proteção conferida pelo chocolate amargo foi de 70% em quantidades semelhantes.QuantidadeA recomendação de nutricionistas é que se consuma entre 30 e 40 gramas de chocolate por dia, dando preferência sempre ao amargo. Quanto maior a concentração de cacau, melhor. Essa medida corresponde a quatro quadradinhos de uma barra comum.Críticas“O principal problema do estudo é que ele não pode nos dizer se é o chocolate amargo que protege contra a depressão ou se é a depressão que afeta o consumo de chocolate amargo”, destacou Anthony Cleare, do King’s College de Londres, na Inglaterra, ao Daily Mail. É por isso que os especialistas esclarecem que mais estudos serão necessários para compreender a relação entre o alimento e a doença.A escolha pelo chocolate amargo pode ser feita por outras questões de saúde, como melhora na pele proporcionada pelos flavonoides, por exemplo. E é ainda importante ressaltar: é essencial que se consuma o chocolate com moderação, mesmo em suas versões mais saudáveis. Para ler mais notícias, curta a página jackpotcitycasino News no Facebook!

4A
Placeholder - loading - Imagem da notícia EUA aprova medicamento para depressão pós-parto

EUA aprova medicamento para depressão pós-parto

A Food and Drug Administration (FDA), órgão reguladora dos Estados Unidos semelhante a Anvisa por aqui, aprovou nesta semana o primeiro medicamento exclusivo para tratar a depressão pós-parto.O Zulresso, da Sage Therapeutics, feito com a substância allopregnanolone, é uma injeção para uso intravenoso. Ele estará disponível em um programa de saúde restrito dos Estados Unidos, onde o medicamento só poderá ser aplicado em consultórios ou clínicas médicas e deverá ser administrado durante pouco mais de dois dias na paciente."A depressão pós-parto é uma condição séria que, quando se torna grave, pode ser fatal. As mulheres podem ter pensamentos para se machucar ou ferir o próprio filho. A depressão pós-parto também pode interferir na criação do vínculo entre mãe e bebê. Essa droga aprovada é a primeira especificamente feita para o tratamento da doença, uma importante opção", disse Tiffany Farchione, diretora-interina da FDA.Durante o uso, os riscos são de sedação excessiva e/ou perda súbita de consciência durante o uso. Em razão disso, o monitoramento constante das pacientes durante a aplicação é importante. Outros efeitos colaterais podem ocorrer, como sonolência, boca seca e rubor na pele.A depressão pós-parto pode ocorrer logo após o nascimento do bebê. Há, no entanto, casos em que os sintomas já começam durante a gravidez. É caracterizada por tristeza e/ou perda de interesse nas atividades que costumava gostar, sentimentos de inutilidade, culpa ou pensamentos suicidas.No Brasil, a depressão pós-parto atinge uma a cada quatro mães e seu tratamento tradicional é feito geralmente com o uso de antidepressivos comuns combinados com psicoterapia.Para ler mais notícias, curta a página jackpotcitycasino News no Facebook!

4A
Placeholder - loading - Imagem da notícia Estudo comprova eficácia de antidepressivos

Estudo comprova eficácia de antidepressivos

Ao que tudo indica, cientistas chegaram a uma conclusão sobre a eficácia de antidepressivos. Segundo estudo liderado pela Universidade de Oxford, no Reino Unido, esse tipo de droga é, sim, eficiente no combate à depressão.No Reino Unido, a prescrição de antidepressivos dobrou em dez anos, passando de 31 milhões em 2006, para 64 milhões em 2016. No Brasil, 5,8 por cento da população - 11,5 milhões de pessoas - sofre de depressão, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).Até então, alguns testes indicavam que antidepressivos teriam o mesmo resultado que placebos. O Royal College of Psychiatrists, a principal organização de psiquiatras no Reino Unido, disse que o estudo finalmente coloca um ponto final à controvérsia sobre este tipo de medicamento.Mas a qualidade dos antidepressivos varia bastante, dizem os pesquisadores. Enquanto algumas drogas se mostraram um terço mais eficazes que placebos, outras são duas vezes mais bem-sucedidas.Os pesquisadores destacaram, no entanto, que as pessoas não devem usar a pesquisa como base para simplesmente trocar de imediato sua medicação. Isso porque o estudo detectou o efeito que as drogas tiveram, em média, na população analisada - não entrando em detalhes sobre como o medicamento afeta as pessoas de diferentes idades, gêneros, gravidade dos sintomas e outras características.Os cientistas destacam ainda que a pesquisa abrangeu oito semanas de tratamento. Assim, algumas descobertas não se aplicam ao uso dos remédios a longo prazo. Eles também ressaltam que os resultados do estudo não significam que antidepressivos devem ser a primeira opção de tratamento para a depressão. "Medicamentos devem ser sempre considerados em conjunto com outras opções, como tratamentos psicológicos", disse a pesquisadora Andrea Cipriani Cipriani, da Universidade de Oxford, que liderou o estudo. Segundo a avaliação dos pesquisadores, os medicamentos mais eficazes são agomelatina, amitriptilina, escitaloplam, mirtazapina e paroxetina. Já os menos eficazes: fluoxetina, fluvoxamina, reboxetina e trazodona.Para ler mais notícias, curta a página jackpotcitycasino News no Facebook!

6A

Fique por dentro

de tudo o que acontece nos bastidores do mundo da música, desde lançamentos, shows, homenagens, parcerias e curiosidades sobre o seu artista favorito. A vinda de artistas ao Brasil, cantores e bandas confirmadas no Lollapalooza e no Rock in Rio, ações beneficentes, novos álbuns, singles e clipes. Além disso, você acompanha conosco a cobertura das principais premiações do mundo como o Oscar, Grammy Awards, BRIT Awards, American Music Awards e Billboard Music Awards. Leia as novidades sobre Phil Collins, Coldplay, U2, Jamiroquai, Tears for Fears, Céline Dion, Ed Sheeran, A-ha, Shania Twain, Culture Club, Spice Girls, entre outros. Aproveite também e ouça esses e outros artistas no aplicativo da Rádio jackpotcitycasino, baixe na Apple Store ou Google Play e fique sintonizado.

  1. Home
  2. noticias
  3. tags
  4. antidepressivos

Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.

jackpotcitycasino Mapa do site