Poker

Capa do Álbum: Poker
A Rádio Online mais ouvida do Brasil
Poker

NOTÍCIAS SOBREcura

Veja essas e outras notícias da Poker

Placeholder - loading - Imagem da notícia Segundo especialista, cura do Alzheimer existe

Segundo especialista, cura do Alzheimer existe

Nessa semana, um remédio inovador veio dar esperanças para aqueles que sofrem com o Alzheimer – e também aos seus amigos e familiares. Trata-se do aducanumab.Mesmo sendo muito elogiado, o medicamento foi interrompido após três testes simultâneos, todos mostrando que ele era ineficaz.Mas em outubro, uma surpresa bastante positiva: uma análise mais aprofundada de um dos ensaios revelou que a droga poderia realmente ser eficaz - pelo menos em doses mais altas. Então o aducanumab está de volta ao jogo - e com ele vem uma nova esperança. É o que conta a médica Maria C. Carrillo, diretora científica da LINK, em reportagem à revista norte-americana LINK.Passei toda a minha carreira interessada nos mistérios do cérebro: como é, como funciona e o que acontece quando não funciona. A doença de Alzheimer tem sido o foco principal da minha vida profissional, começando como uma jovem pesquisadora que examina as varreduras do cérebro e, até agora, como chefe do programa de pesquisa da Associação de Alzheimer.Também me afetou pessoalmente. Minha família percebeu gradualmente a memória em declínio, a divagação e a confusão de minha sogra no final dos anos 2000 e, em 2009, ela foi diagnosticada com Alzheimer. Como especialista na doença, pude responder à maioria das perguntas de meus filhos sobre o que a avó estava passando. Mas uma pergunta importante que não pude responder diretamente foi: "O que podemos fazer sobre isso?"Os estudos sobre o Alzheimer e demência são um campo relativamente jovem. Embora essas enfermidades tenham sido identificadas pela primeira vez há um século, por décadas permaneceram como uma incógnita. Então, 40 anos atrás, os cientistas descobriram a beta-amilóide, uma proteína que eles suspeitavam estar contribuindo para a morte de células cerebrais na doença de Alzheimer. Uma vez que essa conexão em potencial foi encontrada, os pesquisadores pelo menos tinham uma direção para o seu trabalho, e o financiamento para a pesquisa da doença começou de verdade.Pesquisas focadas em beta-amilóide, no entanto, não deram certo da maneira que muitos esperavam. Muitos dos ensaios clínicos em estágio avançado que relataram resultados negativos nos últimos anos foram testes de tratamentos direcionados à proteína. No entanto, há um lado positivo: grande parte do conhecimento que adquirimos sobre outros tratamentos em potencial e sobre como conduzir adequadamente ensaios clínicos.Os pesquisadores ainda estão tentando entender o papel do beta-amilóide na doença de Alzheimer, mas também estão explorando novos alvos potenciais de tratamento, que variam desde inflamação no cérebro até o microbioma intestinal. Verificou-se que as células-tronco da medula óssea são eficazes no combate à inflamação - e agora há pesquisas em andamento para verificar se elas poderiam fazer o mesmo se introduzidas no cérebro.
Nosso entendimento do papel do microbioma intestinal na doença de Alzheimer está em sua infância, mas, graças às primeiras pesquisas focadas em beta-amilóide, agora sabemos que lipídios e outros produtos químicos digestivos acabam no cérebro, o que significa que eles podem ser manipulados microbiana como uma abordagem de tratamento,
disse Carrillo.Pesquisas iniciais também levaram a novas tecnologias para o diagnóstico precoce. Há dez anos, um exame de sangue para Alzheimer era uma ilusão. Hoje, sabemos que existem mais de uma dúzia de tipos diferentes de marcadores sanguíneos para a doença de Alzheimer que podem ser detectados no sangue. O diagnóstico precoce pode significar tratamento precoce - pelo menos quando tratamentos eficazes estiverem disponíveis. Mesmo antes disso, a detecção precoce pode significar um início precoce de mudanças no estilo de vida que podem retardar o aparecimento dos sintomas. Esses são apenas alguns elementos do vasto espectro de pesquisas em andamento. Alguns meses atrás, quase 6.000 pesquisadores de demência apresentaram um número recorde de estudos científicos na Conferência Internacional da Associação de Alzheimer.Historicamente, um enorme desafio para a pesquisa de doenças complicadas como a doença de Alzheimer tem sido o fato de que os esforços de pesquisa potencialmente promissores de alto risco e alto rendimento geralmente são interrompidos porque são muito novos ou muito arriscados para o governo ou as empresas farmacêuticas apoiarem. O financiamento do setor privado e sem fins lucrativos pode e deve desempenhar um papel vital no preenchimento da lacuna atual.

A terapia com CAR-T, que usa um receptor de células T geneticamente modificado para ajudar a combater o linfoma não-Hodgkin, é um exemplo de tratamento que realmente saiu do vale da morte, graças ao financiamento sem fins lucrativos/do setor privado.
Trabalhando com o filantropo Mikey Hoag, de São Francisco, criamos o programa de bolsas de pesquisa LINK da Associação de Alzheimer. Em apenas sete anos, essa iniciativa concedeu US$ 30 milhões em doações para 39 projetos de pesquisa de ponta, abrindo novos caminhos de descoberta em tudo, desde a neuroinflamação à energia e metabolismo do cérebro. Ainda mais importante, nossos recebedores de subsídios puderam obter financiamento adicional totalizando mais de US$ 259 milhões dos Institutos Nacionais de Saúde, Instituto Nacional de Envelhecimento, empresas de capital de risco e outras fontes. Tudo isso é um ganho financeiro inesperado em um campo de pesquisa que tem sido subfinanciado por muito tempo.Quando investimentos ousados em pesquisa foram feitos em outras doenças - como o CAR-T ou, mais famoso, em medicamentos anti-retrovirais para a infecção pelo HIV - as portas terapêuticas se abriram e as vidas foram salvas. Em agosto de 2019, o FDA ficou impressionado com os resultados do CAR-T que concedeu ao procedimento o que é conhecido como status de terapia inovadora, destinado a acelerar o desenvolvimento de medicamentos ou tratamentos que mostram uma promessa específica. Um subsídio de pesquisa de US$ 9 milhões do Instituto de Medicina Regenerativa da Califórnia foi apenas um dos resultados positivos do novo status do tratamento. Estamos à beira de algo verdadeiramente transformacional. O primeiro sobrevivente da doença de Alzheimer pode estar lendo esta história agora. Não é questão de encontrarmos uma resposta; é uma questão de quando.

4A
Placeholder - loading - Imagem da notícia Remédio inovador para Alzheimer

Remédio inovador para Alzheimer

Uma empresa farmacêutica americana diz ter criado a primeira terapia capaz de retardar o Alzheimer e agora está pronta para comercializá-la. Atualmente, não existem medicamentos que possam fazer isso - os existentes apenas ajudam com os sintomas.A LINK diz à LINK que em breve buscará aprovação regulatória nos EUA para o medicamento inovador, chamado aducanumab. Ela planeja arquivar a papelada no início de 2020 e tem como alvo também a Europa.Os processos de aprovação podem levar um ano ou dois. Se for bem-sucedida, a empresa pretende oferecer inicialmente o medicamento a pacientes previamente matriculados em estudos clínicos do medicamento. O anúncio é um tanto surpreendente, porque a empresa interrompeu o trabalho com o medicamento em março de 2019, depois de resultados decepcionantes.Mas a Biogen diz que uma nova análise de um conjunto maior de dados dos mesmos estudos mostra que doses mais altas de aducanumab podem fornecer um benefício significativo para pacientes com doença de Alzheimer precoce, diminuindo o declínio clínico e preservando mais a memória e as habilidades diárias.
Leia também: Estudos têm esclarecido questões sobre a demência.
Grande esperançaO aducanumab tem como alvo uma proteína chamada amiloide que forma depósitos anormais no cérebro de pessoas com Alzheimer. Os cientistas acreditam que essas placas são tóxicas para as células cerebrais e que eliminá-las usando drogas seria um grande avanço no tratamento da demência, embora ainda não seja uma cura.Os especialistas esperam que um tratamento esteja à vista, mas são cautelosos e precisarão examinar minuciosamente esses achados do ensaio com aducanumab.

4A
Placeholder - loading - Imagem da notícia Encontrada possível cura para o resfriado

Encontrada possível cura para o resfriado

Segundo publicação da BBC News, os cientistas podem ter encontrado uma maneira de acabar com o resfriado comum e os vírus relacionados a ele. Em vez de tentar atacá-los diretamente, os pesquisadores direcionaram uma proteína essencial para dentro de nossas células, que os vírus precisam replicar.A abordagem deu "proteção completa" em experimentos com ratos e células pulmonares humanas. No entanto, os pesquisadores norte-americanos não estão prontos para testes em pessoas.O desafio do resfriadoLidar com o resfriado comum tem sido um desafio na medicina. A maioria deles é causada por rinovírus, mas existem cerca de 160 tipos diferentes e sofrem mutações tão facilmente que rapidamente se tornam resistentes às drogas ou aprendem a se esconder do sistema imunológico.Isso levou à idéia de "terapia dirigida ao hospedeiro" para tornar o nosso corpo inóspito pelo vírus do resfriado. O vírus sozinho não tem tudo o que precisa para se replicar. Em vez disso, depende de infectar outra célula e roubar algumas de suas partes internas.Uma equipe da Universidade de Stanford e da Universidade da Califórnia, em San Francisco, encontrou um dos componentes dos quais os vírus eram dependentes.Os cientistas começaram com células humanas e depois usaram a edição de genes para desativar as instruções dentro do nosso DNA, uma por uma.Essas células modificadas foram então expostas a uma variedade de vírus - isso inclui os rinovírus que causam o resfriado comum e vírus mais perigosos que estão intimamente relacionados à poliomielite e podem causar paralisia.Todos eles não foram capazes de se replicar dentro das células que tinham as instruções para uma proteína (chamada metiltransferase SETD3) desativada.Os cientistas então criaram camundongos geneticamente modificados que eram completamente incapazes de produzir essa proteína. "A falta desse gene protegia completamente os ratos da infecção viral", disse à BBC News o professor associado Jan Carette, de Stanford."Esses ratos sempre morriam [sem a mutação], mas sobreviveram e vimos uma redução na replicação viral e proteção muito forte".As descobertas, publicadas na revista Nature Microbiology, mostraram que os camundongos geneticamente modificados eram saudáveis, apesar da falta de proteína por toda a vida. Quando temos uma cura?O plano não é produzir seres humanos geneticamente modificados, mas encontrar um medicamento que possa suprimir temporariamente a proteína e fornecer proteção. Para a maioria das pessoas, o resfriado comum é mais um inconveniente do que uma ameaça à sua saúde, mas nos asmáticos pode piorar muito os sintomas e alguns dos enterovírus podem causar paralisia se espalharem para o cérebro.

4A
Placeholder - loading - Imagem da notícia Estudos têm esclarecido questões sobre a demência

Estudos têm esclarecido questões sobre a demência

Um estudo da University College London mostrou que ter uma vida social ativa é muito importante para prevenir o desenvolvimento de demência. “Na Grã-Bretanha, teremos cerca de um milhão de pessoas com demência até 2021, mas também sabemos que um em cada três casos pode ser evitado”, afirmou o médico Andrew Sommerlad, autor do trabalho.Trata-se de um estudo longitudinal, que analisa um grande número de dados ao longo de anos, e que foi publicado na revista científica “PLOS Medicine”.Para Sommerlad, a descoberta de que o convívio social na meia-idade e na velhice reduz o risco da doença faz com que tenhamos que pensar em estratégias para promover maior conexão dentro das comunidades, combatendo o isolamento.Dados de mais de 10 mil pessoas, entrevistadas em seis ocasiões entre 1985 e 2013, foram analisados pelos pesquisadores. Entre os temas abordados pelos participantes, estava a frequência dos contatos social que mantinham com amigos e com parentes. A partir de 1997, somaram-se ao estudo também testes de cognição.Os pesquisadores checaram os registros de saúde desses indivíduos até 2017, para identificar quais deles, e quantos, haviam sido diagnosticados com demência.O objetivo do estudo era verificar a relação entre o convívio de indivíduos na faixa dos 50, 60 e 70 anos com outras pessoas e uma proteção contra o declínio cognitivo. Fatores como escolaridade, estado civil e status socioeconômico também foram levados em consideração.E o resultado foi bastante claro: o aumento de convívio social de fato fazia diferença. Uma pessoa de 60 anos que encontrasse amigos quase diariamente apresentou 12% menos chances de desenvolver demência do que uma pessoa que visse um ou dois amigos em intervalos de meses.Nos grupos de 50 e 70 anos, no entanto, o impacto não foi tão significativo, mas os pesquisadores avaliam que ainda havia benefícios. “Quem se engaja socialmente exercita suas habilidades cognitivas, como linguagem e memória, o que pode ajudar a criar uma espécie de ‘reserva’ mental”, explicou Gil Livingston, também professor da universidade.Número de casos vêm crescendo Com o envelhecimento da população, a demência tem se transformado em um desafio global. Hoje, estima-se que pelo menos 50 milhões de pessoas tenham a doença – e esse número tende a aumentar ainda mais.Para efeito de comparação, entre 1990 e 2016, dobrou o contingente de pessoas afetada pelo problema. Em 2050, a previsão é de que sejam 150 milhões de indivíduos com a enfermidade.Outros estudosFrente a essa realidade, cada vez mais estudos sobre a doença estão surgindo – e também formas de evitá-la, ou mesmo melhorar a qualidade de vida de quem já convive com a demência.No mês passado, pesquisadores sugeriram que alguns medicamentos podem aumentar o risco de desenvolver demência. Segundo o estudo, esse seria o caso das medicações da classe anticolinérgica, geralmente prescritas para tratar problemas como depressão, Parkinson, epilepsia e psicose.Os resultados foram publicados no JAMA International Medicine, e sugerem que esses medicamentos são capazes de aumentar o risco de demência em 49%. Vale lembrar, no entanto, que os achados apresentam uma correlação, e não uma conexão direta de causa e efeito. Por isso, não é possível afirmar com total certeza se os anticolinérgicos causam demência. Otimismo e novos caminhosNo caso do Alzheimer, apesar de não ter cura, os tratamentos estão ficando cada vez mais avançados devido às inúmeras pesquisas que têm surgido na área. Se diagnosticado no início, há formas de amenizar os sintomas e reduzir seu avanço.Uma das medidas mais eficazes é estimular os pacientes a realizar atividades cognitivas, sociais e físicas, que favorecem a manutenção das habilidades mentais. Alguns hábitos saudáveis podem, inclusive, servir como proteção contra a doença. Mas o tratamento deve ser feito também com remédios administrados por via oral, ou com um medicamento transdérmico, que está disponível há um ano no SUS.O Ministério da Saúde oferece o medicamento rivastigmina adesivo transdérmico para tratar a doença de Alzheimer. O remédio age inibindo uma enzima responsável por degradar a acetilcolina, um neurotransmissor essencial para os processos cognitivos, principalmente para a memória.“O benefício principal é a qualidade de vida, para pacientes, familiares e cuidadores. Além disso, a liberação da medicação é contínua. Isso reduz a possibilidade de surgirem efeitos colaterais”, afirma Rodrigo Rizek Schultz, neurologista e presidente da Associação Brasileira de Alzheimer. A versão oral do remédio já era oferecida na rede pública desde 2003.Para ler mais notícias, curta a página Poker News no Facebook!

4A
Placeholder - loading - Imagem da notícia Tecnologia devolve bem-estar a idosos

Tecnologia devolve bem-estar a idosos

Atualmente, cerca de 50 milhões de pessoas sofrem com demência no mundo e o envelhecimento da população fara com que este número cresça ainda mais. Por isso, cientistas de debruçam para buscar a cura ou mesmo uma forma de retardar o problema. O Care Research and Technology Centre é uma instituição no Reino Unido voltada para a pesquisa tecnológica aplicada ao cuidado. David Sharp, neurologista e diretor do centro, diz que de 85% a 90% dos indivíduos afirmam que preferem permanecer em seus lares. “Nosso objetivo é buscar tecnologias centradas no paciente com demência para que vivam melhor e em suas casas enquanto isso for possível. As estatísticas mostram que um em cada quatro leitos hospitalares é ocupado por pessoas com demência e 20% dessas internações são causadas por quedas, desidratação ou infecções que poderiam ser evitadas”. Para que isso seja possível, sensores ajudarão a medir os sinais vitais, como pressão arterial e temperatura, além de monitorar o sono dos idosos. Estas informações poderão ser compartilhadas com cuidadores para que seja possível intervenções mais rápidas.Recentemente o jornal “Financial Times” fez uma reportagem sobre a Alzheimer's Society, uma organização britânica que criou um programa de crowdsourcing para financiar projetos que atendam a portadores da doença.Ela arrecadou 200 mil libras, quase um milhão de reais, e investirá em duas propostas. A primeira, a Jelly Drops: espécie de goma de mascar que possui 90% de água em sua composição e tem o objetivo de prevenir a desidratação. A segunda é um aplicativo chamado “How I do?”, que oferece um tutorial para tarefas do cotidiano, como preparar uma xícara de chá ou tomar banho – isso ajudará, e muito, quem já apresenta dificuldades em executar suas atividades do dia a dia. Já uma outra abordagem é finlandesa e une tecnologia e calor humano. Através de um monitor, uma enfermeira acompanha o almoço de um grupo de idosos. Com isso, a profissional se certifica de que vão se alimentar bem e na hora certa – porque, embora as refeições tenham sido distribuídas pelo serviço social, todos vivem sozinhos e essa companhia, mesmo virtual, representa um estímulo. Para ler mais notícias, curta a página Poker News no Facebook

4A
Placeholder - loading - Imagem da notícia Nova droga pode curar Alzheimer

Nova droga pode curar Alzheimer

Apesar de ultimamente não ter havido boas notícias sobre drogas que possam evitar ou mesmo tratar o Alzheimer, na reunião anual da Associação de Alzheimer em Chicago, surgiram algumas notícias encorajadoras sobre o assunto.Uma droga anti-amilóide está sendo testada pela Eisai, uma empresa japonesa, e pela Biogen, com sede em Massachusetts. O composto, BAN2401, é um anticorpo projetado para aderir à amilóide – proteína que se acumula no cérebro e pode levar a placas pegajosas que comprometem as células nervosas. O estudo envolveu pessoas com comprometimento cognitivo leve ou demência leve de Alzheimer. E, de acordo com os últimos resultados, pessoas tratadas com a terapia experimental mostraram uma diminuição na amilóide no cérebro após 18 meses em comparação para pessoas tratadas com placebo.O grupo tratado também mostrou declínios mais lentos nas pontuações dos testes cognitivos no final do estudo.Os dados foram mais otimistas do que os resultados de 12 meses, que as empresas divulgaram em dezembro passado, em que eles não conseguiram encontrar uma diferença significativa nas pessoas que foram tratadas em comparação com as pessoas que não foram.De quase 900 voluntários distribuídos aleatoriamente para receber uma das várias doses de BAN2401 ou placebo, aquelas que receberam a dose mais alta, 10 mg/kg quinzenalmente, mostraram de 30 a 47 por cento de declínio mais lento em duas baterias de testes cognitivos que avaliaram memória e outras funções. E entre aqueles que receberam a droga, 81 por cento converteram-se de amiloide positivo em exames cerebrais no início do estudo para negativos após 18 meses.Isso é promissor, uma vez que os pesquisadores acreditam que a amilóide é um dos principais fatores que contribuem para a deterioração das funções cerebrais típicas da demência e da doença de Alzheimer.O BAN2401 pertence a um grupo de medicamentos que pode ser o primeiro a tratar a doença, em vez de simplesmente tratar de seus sintomas, como fazem as terapias atuais. Ao reduzir o acúmulo de placa amilóide no cérebro, a droga poderia retardar a progressão da doença e, se introduzida cedo o suficiente, talvez até ajudasse algumas pessoas a evitar seus sintomas mais devastadores.A Associação de Alzheimer observou que esse é o segundo medicamento experimental a mostrar eficácia na redução da carga amilóide no cérebro. O primeiro foi o aducanumab, que também está sendo desenvolvido e testado pelas mesmas duas empresas em um estudo mais avançado. Os resultados finais são esperados para 2020.Para ler mais notícias, curta a página Poker News no Facebook!

5A
Placeholder - loading - Imagem da notícia Estudo cura alergia a amendoim

Estudo cura alergia a amendoim

Para quem tem alergia, ingerir um punhado de amendoim que seja já é certeza de garganta fechada, rosto inchado e pele coçando. A semente é considerada a comida que mais provoca asfixia em intolerantes, e também causa uma das alergias mais mortíferas.Estima-se que pelo menos 20 mil bebês sejam diagnosticados como alérgicos todos os anos, isso só nos Estados Unidos e Reino Unido. Não havendo tratamento, a solução é passar longe de tudo que possa conter traços do alimento.Mas, para a alegria dos alérgicos, um estudo australiano se apresenta como solução definitiva para quem sofre com o problema. Por meio de um tratamento que reprograma o sistema imunológico, conseguiu-se melhorar a resposta que o corpo tem ao amendoim.A técnica foi testada com 88 crianças. Todo dia, durante 18 meses, elas tinham que consumir um probiótico tonificado com proteína do amendoim. Quando os testes terminaram, 82 por cento delas conseguiam consumir amendoim sem restrições de dieta.Para a maioria das crianças, os efeitos se estenderam por bastante tempo. Após quatro anos, 70 por cento das cobaias tinha adquirido resistência a longo prazo. Ou seja, deixaram de ser intolerantes ao amendoim.Os resultados surpreendem, principalmente porque pesquisas anteriores não passaram nem perto de conseguir a mesma eficácia. Mas, mesmo recorrendo a métodos diferentes, todos os cientistas concordam que para não desenvolver alergia a amendoim o mais recomendado é comer o próprio amendoim. Um estudo de 2015 mostrou que para afastar seu filho do problema, o ideal é apresentá-lo à semente logo aos 11 meses de idade.Para ler mais notícias, curta a página Poker News no Facebook!

6A

Fique por dentro

de tudo o que acontece nos bastidores do mundo da música, desde lançamentos, shows, homenagens, parcerias e curiosidades sobre o seu artista favorito. A vinda de artistas ao Brasil, cantores e bandas confirmadas no Lollapalooza e no Rock in Rio, ações beneficentes, novos álbuns, singles e clipes. Além disso, você acompanha conosco a cobertura das principais premiações do mundo como o Oscar, Grammy Awards, BRIT Awards, American Music Awards e Billboard Music Awards. Leia as novidades sobre Phil Collins, Coldplay, U2, Jamiroquai, Tears for Fears, Céline Dion, Ed Sheeran, A-ha, Shania Twain, Culture Club, Spice Girls, entre outros. Aproveite também e ouça esses e outros artistas no aplicativo da Rádio Poker, baixe na Apple Store ou Google Play e fique sintonizado.

  1. Home
  2. noticias
  3. tags
  4. cura

Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência.

Poker Mapa do site